sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O tempo ...



Eu não envelheci. O tempo é que passou por aqui e tá
bem mudado. Quase não o reconheci. Lembro-me bem,
o tempo era jovem, cheio de planos, queria me ''fazer''.
Guardava-me para o futuro. Hoje ele tá velho,
o tempo enrugou! Falei baixinho pra mim:
''meu deus, o que o tempo fez com o tempo?!'' Corri
para o espelho e me vi igual e de esguelha o olhei; ele
para mim, de soslaio. Confesso que dei uma risadinha. Ficamos frente a frente.
Depois de tanto ''tempo'' era chegada a hora de conversarmos.
Não sabia por onde começar. Meio sem
jeito perguntei sua data de nascimento. Sabe o que ele
me respondeu? Que era imemorial. Pode?! Tentando disfarçar meu constrangimento, tossi. E o tempo continuou a falar...que era implacável, indomável, insinuante, que pertencia a todos, que fazia o que quisesse com quem bem entendesse. Tentei colocar a mão na sua boca, mas o tempo continuou a me falar, que era onipresente, que viu riso, choro, lágrima, lástima, traição e fidelidade eterna. Fiquei pasmo, lívido! Mas não podia perder a opotunidade, afinal, era eu conversando com o tempo. Tu já tiveste essa oportunidade? O achei presunçoso. Enquanto ele falava, minha cabeça girava tentando uma forma de reverter positivamente para mim, a conversa. Aí lembrei do passado. Com ar triunfal perguntei o que ele, o Tempo, o que ele achava do passado. Sua resposta foi o que motivou esse texto. O Tempo me falou que o seu passado, em algum tempo, sempre foi o seu futuro. Quase enlouqueci. Eu entro em êxtase com verdades. E o Tempo foi verdadeiro comigo.
(Nilson Octávio)

             imagem captada na web

Nenhum comentário:

Postar um comentário