sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

ROSA DE SEDA


Rosa solitária,
perdida num ramalhete
de flores, sem cheiro,
sem o frescor das pétalas aveludadas
de uma rosa viva.
Olho para ti e penso,
será flor da noite ou flor
do amor,
disfarce coberto de seda
que não é rosa flor.
Rosa muda...não sente
o afeto
nos longos mergulhos,
no doce navegar
pelo remanso dentro
da noite.
As rosas são amorosas, belas,
serenadas, ardentes,
audaciosas,
a sonhar fascinadas à luz
do sol-poente,
faz reponte de melodias
e transluz a ternura
de um beijo.

Paulo Avila
Publicado no Recanto das Letras
Código do texto: T5512100
imagem captada na web  



Nenhum comentário:

Postar um comentário