domingo, 2 de junho de 2013

SONHAR APENAS...




 Saio de casa, passo apressado
 Destino apenas a lado nenhum
 Em direcção ao nada
 Dirijo-me a todo o lado
 Percorro caminhos, estradas…
Trilhos de vida, apenas percursos
 Locais por onde já passei antes, mas hoje…
Descobri que nunca tinha reparado em nada
 Apenas olhava sem ver
 Via sem sentir, apenas… olhava
 Em direcção a um café, qualquer um…
Preciso de acordar, despertar…
Sair do torpor em que me encontro
 Acordar para a vida, parar de sonhar
 Mas parar de sonhar é parar de viver
 Parar de sonhar, é parar de amar….
Percebo apenas que… afinal não quero parar de sonhar
 Apenas tenho de mudar de sonho
 Sonhar com o impossível que me dá forças para lutar
 Sonhar com o fácil, não é sonhar…
Sonhar faz-nos acreditar
 Acreditar que um dia… apenas um dia…
Não sei quando… não sei onde…
Mas quero acreditar que vou amar
 Não quero desacreditar no amor
 Sem amar não sei viver
 Viver sem amor, não é viver, é apenas sobreviver
 Cansei de apenas… sobreviver

 Carlos Fonseca
 In “ Um Sopro de Carinho”


Nenhum comentário:

Postar um comentário